Cientistas Alertam sobre novas Salmonelas Resistentes a Múltiplos Medicamentos

Aves migratórias africanas podem ter sido a fonte de infecção nos europeus.

A identificação de um novo tipo multirresistente de salmonelas mostra a importância da vigilância da saúde pública em um sistema alimentar global, segundo cientistas franceses.

A análise dos sistemas nacionais de vigilância nos Estados Unidos, Dinamarca, França, Inglaterra e no País de Gales revelou a emergência desse novo tipo de salmonela S. Kentucky, que apresenta um elevado nível de resistência à ciprofloxacina, tratamento comum para infecções graves por salmonelas.

Esse novo tipo já infectou 489 pessoas na França, Inglaterra, País de Gales e na Dinamarca entre 2000 e 2008. As primeiras infecções foram adquiridas principalmente no Egipto entre 2002 e 2005. Desde 2006, as infecções também foram adquiridas em várias partes da África e do Oriente Médio.

Cerca de 10 por cento dos pacientes europeus disseram que não viajaram para nenhuma dessas áreas, o que sugere que suas infecções podem ser resultado de comer alimentos importados contaminados ou através do contato com pessoas infectadas, disseram os pesquisadores do Instituto Pasteur.

Os investigadores descobriram que frangos e perus da Etiópia, Marrocos e Nigéria continham a estirpe de S. Kentucky, uma indicação de que as aves migratórias podem ser uma importante fonte de infecção.

O estudo foi publicado online no Journal of Infectious Diseases.

"Esperamos que esta publicação possa despertar a conscientização entre as autoridades nacionais e internacionais de saúde, alimentação e agricultura para que tomem as medidas necessárias para controlar e interromper a disseminação dessa linhagem antes de se espalhar globalmente, assim como uma outra cepa multirresistente de salmonella, Typhimurium DT104, que ganhou força na década de 1990 ", disse o co-líder do estudo, Simon Le Hello, em um comunicado à imprensa.