Demasiada TV Pode Tirar Anos Preciosos de sua Vida

A razão, dizem especialistas, é que as pessoas comem mais e se movem menos quando ficam em frente a televisão.

Gastar seus dias na frente da televisão pode contribuir para uma vida útil menor, sugere um novo estudo.

Pesquisadores na Austrália descobriram que pessoas que passam em média seis horas por dia assistindo TV, vivem em média, quase cinco anos a menos do que as pessoas que não assistem TV.

Para cada hora de televisão assistida depois dos 25 anos, o tempo de vida caiu em 22 minutos, de acordo com a pesquisa liderada pelo Dr. J. Lennert Veerman da Universidade de Queensland.

Mas outros especialistas alertaram que o estudo não mostrou que assistir à TV fez com que as pessoas morressem mais cedo, apenas que havia uma associação entre assistir a muita TV e uma vida mais curta.

Embora a ligação direta entre assistir TV e uma vida útil reduzida seja altamente provocativa, os danos da TV são quase certamente indiretos, disse o Dr. David L. Katz, diretor do Centro de Pesquisa Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de Yale.

"Como regra, quanto mais tempo passamos assistindo TV, mais tempo gastamos comendo sem pensar na frente da TV, e menos tempo passamos sendo fisicamente ativos", disse Katz. "Comer mais e menos atividade física, por sua vez, significa maior risco para a obesidade, e as doenças crônicas que tende a antecipar, notavelmente diabetes, doenças cardíacas e câncer".

Outra explicação para o possível vínculo pode ser que as pessoas que assistem a quantidades excessivas de TV "são solitárias, isoladas ou deprimidas, e essas condições, por sua vez, podem ser as verdadeiras causas da mortalidade prematura", acrescentou.

O relatório foi publicado na edição on-line em 15 de agosto do British Journal of Sports Medicine.

No estudo, os pesquisadores usaram dados de 11.000 pessoas com 25 anos ou mais do estudo australiano Diabetes, Obesidade e Estilo de Vida, que incluiu informações sobre o número de pessoas que assistiram à TV em uma semana. Os pesquisadores também utilizaram a população nacional e os números de mortalidade.

Em 2008, adultos australianos assistiram a um total de 9,8 bilhões de horas de TV. As pessoas que assistiram mais de seis horas de TV estavam no top 1 por cento para a TV.

As estatísticas sugerem que muita TV pode ser tão perigosa quanto fumar e falta de exercício na redução da expectativa de vida, disseram os pesquisadores.

Por exemplo, fumar pode reduzir a expectativa de vida em mais de quatro anos após os 50 anos. Isso representa 11 minutos de vida perdidos para cada cigarro e isso é o mesmo que meia hora de assistir televisão, disseram os pesquisadores.

Sem TV, os pesquisadores estimaram que a expectativa de vida para os homens seria de 1,8 anos mais longa e para as mulheres, de 1,5 anos a mais.

"Embora estivéssemos usando dados australianos, os efeitos em outros países industrializados e em desenvolvimento provavelmente serão comparáveis, dados os grandes volumes de tempo gasto assistindo TV e semelhanças nos padrões de doenças", observaram os pesquisadores.

O Dr. Gregg Fonarow, chefe associado de cardiologia da Faculdade de Medicina David Geffen da Universidade da Califórnia, Los Angeles, disse que "há cada vez mais provas de que a quantidade de tempo gasto em atividades sedentárias, pode afetar adversamente a saúde. "

E embora participar de um programa de exercícios regulares possa ajudar, isso pode não ser suficiente para compensar os riscos de gastar muito tempo sendo sedentário.

"Ficar ativo e reduzir o tempo gasto no sedentarismo pode ser benéfico na redução do risco de doença cardiovascular e pode ser considerado como parte de uma abordagem para melhorar a saúde cardiovascular", acrescentou Fonarow.

Dr. Robert J. Myerburg, professor de medicina na Universidade de Miami Miller School of Medicine, acrescentou que "um estilo de vida sedentário pode reduzir a expectativa de vida".